Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

(+) Uma maluca que julga ter juízo

Desabafos e bocados do que vou (vi)vendo...

(+) Uma maluca que julga ter juízo

Desabafos e bocados do que vou (vi)vendo...

Para mais tarde recordar

 

Como referi num post anterior, aqui ficam algumas recordações do fim de semana... fotos tiradas por mim,tanto pela máquina como pelo telemóvel. Foram momentos e sítios que me dizem tanto.
Sim, por volta das 3h da manhã fomos tirar a foto ao lado da placa. Meninas com pancada, deveria ser esse o texto,porque é mais o nosso caso.
Foto da minha rosa,comprada no bairro...depois de regatear,lá comprámos um molho por 0,50€. è que o resto do dinheiro tinha ido para morangoskas, caipirinhas XXL e pontapés...
A minha tentativa de foto da vista da ponte 25 de abril... não saiu muito bem devido ao adiantado da hora... e das bebidas ingeridas
Como não poderia deixar de ser,levei as meninas à boca do inferno. Adoraram, claro!
Cascais...
Algures numa das praias da marginal... Acho que caxias esta!
Gosto... epá gosto mesmo desta vista!
Mosteiro dos Jerónimos... com um pôr-do-sol divinal!
Padrão dos Descobrimentos, com a lua a espreitar e a indicar o começo do fim de um fim de semana perfeito.
Lisboa, Lisboa...
Apaixonada por esta cidade...
Volto depois

 

Sonhos

Há dias em que sinto-me tão embrenhada nos sonhos que me parecem tão reais.. Acontece a todos, sim, eu sei!

 

Mas ultimamente, com alguma repetição, ou pelo menos bem mais vezes do que aquelas que eu gostaria, sonho constantemente com a mesma pessoa. E embora no sonho eu tenha exactamente a mesma reacção que teria caso fosse na vida real (ou pelo menos acredito piamente que sim) incomoda-me à mesma!

Até porque acredito que os sonhos não devem passar despercebidos. Principalmente no meu caso, em que por várias vezes sonhei com coisas que posteriormente aconteceram realmente...

Enfim, acordo e fico a pensar no que sonhei, o que poderá querer dizer do meu eu... E tudo e tudo e tudo!

 

Bom, divagações minhas!

volto depois.

 

 

 

I feel good

(foto by me & my mobile)

 

Hoje sinto-me bem... Apesar da notícia de ter um lipoma (aka quisto no pé) que espero não vir a ser nada, por ter a confirmação de que a minha anemia está de novo por aí, e pela antecipação que é saber dos resultados da citologia (será que vão ligar a dar más notícias, será que não) a verdade é que hoje estou bem. Sinto-me bem,calma, sem stress.

Não quero pensar nos mil problemas que a vida teima em por no meu caminho, não quero pensar nas dúvidas tão típicas do amor, nem sequer quero ponderar os trabalhos vários de quem está na recta final do curso!

 

Quero que esta sensação dure mais tempo... Quero mais dias assim!

Vou ali e já volto.

Carta a S. Pedro

Boa tarde/noite sr. São Pedro (não sei como é ai por esses lados sabe)

 

Espero que esta carta o encontre de bem com a vida. Se bem que algo me diz que não!

 

Sei que a igreja que o senhor ajudou a institucionalizar, anda por estes dias envolta em confusões. É, diz que são escândalos sexuais e, imagine, dos mais sórdidos, que envolvem pedófilos e tudo!

Acredito que isso mexa com o seu humor, e principalmente ai com o chefe de cima (e sabemos como os chefes podem interferir com o nosso bem-estar certo).

Mas visto ser o senhor responsável pelo clima e tempo, se chove ou se faz sol, agradecia que não descontasse as frustrações de todo  seu trabalho em nós.

Sim, eu sei que nós, humanos somos muita chatos - Principalmente eu, que devo estar no topo de uma qualquer lista sua de pessoas que conseguem ser estupidamente irritantes - e sei que nunca sabemos o que queremos.

Ora fazemos fita porque estão dias chuvosos, deprimentes e etc, que queremos dias de verão, sol... Ora queixamo-nos que o sol é demais, que está calor excessivo, que temperaturas assim são insanas!

Bom, com tudo isto, tenho apenas uma pergunta para fazer.

 

Poderia, POR FAVOR, conceder-nos dias de primavera, até que o verão chegue?

 

Sabe aqueles dias, em que mesmo não estando os estonteantes 30º, está um calor agradável, céu daquele azul vibrante, brisa suave tão agradável... enfim, aqueles dias em que o senhor tão bem encontrava um meio-termo e todos nós ficavamos alegres...

Acho que para isso até faço uma promessa. Vou à missa assim que o senhor cumpra a sua parte. Não melhor, vou a uma missa ainda antes do senhor cumprir a sua parte, assim a jeito de "pré-pagamento" (como tenho a benção das fitas e tal, é o ideal né)... Hum, que me diz???

 

Espero que leia com atenção/carinho esta carta.

Bom trabalho ai para cima.. até à próxima!

 

 

 

 

(foto by net)

 

 

Muito obrigada pela atenção.

 

 

Ps: Já que está por ai, também podia dar um toque ao Senhor Deus ou mesmo ao Senhor Jesus. Já tive a minha quota parte de chatisses que envolvam saúde, não preciso de mais (a sério, não preciso mesmo).

 

E a esta hora...

Andei eu a estas horas pela rua, numa busca quase insana por um geladinho (pancadas, fazer o quê), e a verdade é que dei-me conta que está uma noite mesmo nice!

 

Aminha idade dos porquês... II

Porquê... Mas porque é que nos jogos infantis alguém se lembrou de chamar aquele local neutro, sim, aquele onde estavamos safos de quem estivesse a apanhar, onde poderiamos descansar mais uns segundos, enfim, aquela porta ou àrvore ou poste... aquele pedaço de coisa se deveria chamar de coito?!?!

Mas PORQUÊ?!?!

 

Há que assinalar apenas as coisas boas!

Digamos que simplesmente este foi um dos fins-de-semana que tornam a vida bem mais doce, mais divertida... enfim, perfeita!

Passando a explicar:

 

Sexta-feira – 22h saímos da terrinha em direcção a Lisboa… Malucas, sempre na conversa e a aparvalhar, pára-se por Coimbra, isto já por volta das 00h, para uma foto rápida ao lado do rio... Anda-se mais um pouco, perde-se tempo porque o sr. do GPS é tolinho. Anda-se mais um pouco e às 2h e pouco achamos que passar pela Venda das Raparigas deveria ser recordado. DPára-se, tira-se foto à placa, aproveitei e descansei os pés e voltamos à estrada! 4h da manhã, já em casa e depois de largar a primeira passageira, deitámo-nos a planear o dia seguinte.

 

Sábado – Acordar, tirar o bilhete de comboio para logo a seguir ir de carro até ao rossio (WTF). Passear, palhaçar, risinhos e risotas, almoço e de novo passeio!

Siga pró Dolce Vita Tejo, comprar bugigangas, e que mais… Figuras tristes, mas o que interessava mesmo era a diversão! Tarde muito boa…

Há noite, depois de jantar, vontade de ficar deitada no sofá a descansar, mas as meninas já aperaltadas e mais que prontas para seguir para a noite! 1ª paragem Bairro(como não poderia deixar de ser) morangoskas para uns, cervejas para outros, pontapé na C**** da praxe para todos e “balde”- aquele pequeno copo de 500ml - de caipirinha pró babe… ficou bonito ficou! Siga para outro bar, dançar até as tantas e sofrer arduamente por levar botas de salto prá night (Ezzzztuuuupida)… Mal consegui dançar tal as dores. Muita risota, muitos beijos, muitos amassos. Sair em direcção a casa, chegar, ajudar os bêbados... Perdão, os mal dispostos, às 6h e dormir.

 

Domingo – Acordar (com muito custo) às 12h, almoçar com mamã, preparar para dar uma volta por Sintra, Cascais e Belém. Pôr-do-sol magnífico, mais risota, figuras tristes e muita palhaçada à mistura. De assinalar o episódio em que quase terminava a relação por um pedaço de pastel de nata. É que o tolo do babe fez com que o meu último pedacinho de pastel de nata, aquele último bocado que sabe sempre melhor, que me estava a saber qua orgasmo, enfim, aquele bocado de céu que alcanço quando como algo que adoro fez com que quase desse um safanão ao moço... Ai se não fosse o auto-controlo (meu)! Lá me contive, mas não perdoei que aqui por estes lados a Gula é o verdadeiro pecado mortal!

Jantar em casa, preparar as malas de regresso (das meninas) e gelado no mac… o resto… bem o resto passou-se com muito amor, tesão e um pequeno brinquedo à mistura…

Agora vou aproveitar as últimas horas antes de voltar para cima!

 

Há dias maravilhosos! Há pessoas maravilhosas e há momentos imperdíveis.

Fim-de-semana completo este!

 

 

Ai que eu nem acredito

Estou em contagem decrescente para um fim de semana diferente!

Vou levar as colegas de casa e escola para apreciar a beleza da cidade, por mim eleita há muito como uma das mais bonitas do mundo.

Vai ser a loucura... é praia, restaurante, bairro... ai ai ai!

Hoje, às 22h30 fazemo-nos à estrada... espero que seja uma boa viagem!

 

Volto depois...

 

 

E mais uma pra ficar indignada...

Li isto ali do "Um olhar sobre o mundo" e decidi roubar para aqui postar... Infelizmente incrível, pela negativa claro!

 

"Duas adolescentes de dezoito anos, loirinhas tal qual princesas da Disney, estudantes promissoras, de "boas famílias"... matam, com a ajuda de um amigo de 19 anos, um homem ao pontapé em pleno Trafalgar Square, em Londres. Porquê? Porque o homem, de 62 anos, era gay.

 

É difícil tirarem-me do sério. Mas há noticias que me deixam verdadeiramente mal-disposta. A violência é algo que, por mais que tente, não consigo perceber. Vinda de um grupo de adolescentes - não são supostamente eles que têm uma mente mais aberta? - com motivações discriminatórias, ainda pior.

Há comportamentos que deviam ir para ao caixote do lixo
Há comportamentos que deviam ir para ao caixote do lixo

Tenho vários amigos e amigas homossexuais. Muitos deles já foram alvo de comentários menos felizes na rua. Muitos deles tinham bom tamanho para dar três pares de estalos a quem opta pelo insulto barato. Muitos deles, arriscaria a dizer todos, prefere não partir para violência. Mais facilmente me vêem a mim a exaltar-me com a idiotice alheia e a usar o meu dedo do meio em resposta, disso tenho a certeza.

Insultada por ser heterossexual?

 

Custa-me a entender que ainda se ache que um homem é menos homem ou uma mulher é menos mulher porque gosta de pessoas do mesmo sexo. Nas mil e uma noites que já passei em bares e discotecas gays nunca ninguém me apontou o dedo ou insultou por eu ser heterossexual.

Casos como o de Ian Baynham (sim, o homem tinha nome, família, toda uma vida deitada por terra por três meninos que beberam uns copos a mais e acharam por bem espancar um "paneleiro de merda", expressão usada pelos próprios), ou como o de Gisberta, o travesti do Porto também morto por um grupo de adolescentes, fazem-me pensar: Que raio de sociedade teremos daqui a uns anos? Que miúdos, futuros adultos, são estes? Será culpa da educação ou do preconceito eternamente enraizado? Se no tempo dos nossos pais histórias destas já eram reprováveis, nos ditos "tempos modernos" perdem totalmente o sentido. Não há justificação. Ponto final."

 

Pág. 1/5