Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

(+) Uma maluca que julga ter juízo

Desabafos e bocados do que vou (vi)vendo...

(+) Uma maluca que julga ter juízo

Desabafos e bocados do que vou (vi)vendo...

Se agora já é assim, imagino quando um dia engravidar!

(foto da net)

 

Os meus apetites e desejos são já conhecidos do meu circulo de amigos chegados. Tenho plena noção do quanto sou impossível de aturar quando coloco algo na cabeça, e no que toca a comida (guloseimas na sua maioria) a coisa torna-se ainda pior. Sou capaz de andar km apenas para petiscar algo que me esteja realmente a apetecer, passando por vezes semanas a pensar em algo. O último exemplo foram os fabulosos pães de alho (os melhores na minha humilde opinião) que apenas se encontram nesse restaurante magnífico que é "O padrinho" na santa terrinha. São divinais e estive uns módicos 6 meses a desejar arduamente tal delícia, chateando continuamente a colega de casa partilhando o meu desgosto por não conhecer igual aqui em Lisboa!

Teria muitos outros exemplos para aqui indicar, mas  do que me leva a escrever este post.

 

Desde ontem que ando atormentada. Lembrei-me de algo que adorava de morte, algo que no seu tempo, fazia as minhas delícias... O grande problema  debate-se com o facto de já não existir... Falo do incrível Corneto de baunilha, que eu alegremente comia, isto com cerca de 6, 7 ou 8 anos de idade, quando comecei a aperceber-me de que haviam gelados melhores que o mini milk. E atenção, não estou a referir-me ao corneto de nata que hoje substitui, de forma muito fraca, aquele sabor maravilhoso da baunilha que primeiro indiquei. Nunca percebi qual a razão que levou os senhors da OLÁ a substituir tal obra de arte, mas até hoje, fico triste com tal acção. E por muito tempo andei eu triste, até que apareceu o WINNER TACO*!

 

  

Sim, fui feliz novamente ao saborear aquele gelado maravilhoso, com caramelo pelo meio, e aquele chocolate com pedaços de avelã por fora. Nem me importava com a real cagada que era quando chegava quase ao fim do mesmo, já este a derreter e a começar a sujar as minhas mãos todas (lembro-me que era rara a vez que comia aquilo sem me sujar um bocado que fosse). Fui feliz novamente, até que pimba.. Os senhores da OLÁ repetiram a proeza sendo implacáveis comigo e retiraram o dito do mercado.. E pronto, a minha vida não foi mais a mesma. Nunca mais voltei a apreciar um gelado com a mesma vontade.

Com tudo isto achei por bem colocar aqui um apelo... Quem souber de algum país que ainda comercialize tais iguarias que me avise... Mesmo se for no Nepal, eu junto uns trocos e faço-me à estrada. Até qeu não era mau,, conheço um novo local e satisfaço o meu desejo por um destes dois gelados.

E agora que esta minha divagação acabou, vou voltar ao trabalho (com a boca a abarrotar de tanta baba, mas pronto)...Volto depois.

 

 

*por alguma razão não consigo colocar aqui a imagem do referido!

Dos sonhos

A minha linda anda a magicar uma viagem de sonho. À pala dela agora ando a fazer contas à vida para que eu possa realizá-la!

É que conciliar uma viagem destas e ainda estar de certa forma em processo de mudanças e consequente mobilar da mesma, fica complicado.

Oh C., porque me fazes isto?!

Inception

Ainda namorava quando implorei ao sr. ex para irmos ver o tal filme. Chamou-me bastante atenção, era o único filme em muito tempo que realmente despertou em mim a necessidade de gastar 10€ no cinema. Mas claro, como querido que era, não cheguei a ver porque o sr. ex tinha ido com não sei quem, e pronto, com a birra optei por não ir mais (guardo rancor deste tipo de atitudes, fazer o quê)!

Mas na sexta-feira passada consegui ver o dito. E apesar de todas as minhas expectativas estarem no máximo, o filme conseguiu surpreender-me!

E a história em si não é por ai além, até achei o enredo bastante simples, mas adorei os detalhes, os actores, tudo tudo tudo. Daqueles filmes que terei de comprar o original,para a coleção de DVD's. Gostei bastante.

E não é apenas por estarmos perto dos Óscares que falo deste filme, somente tive de apontar aqui um filme fabuloso!

Aconselho.

Taras e manias

Tenho uma crença quase secreta em relação a uma "piquena" situação.

Há cerca de 2 ou 3 músicas que quando tocam aleatoriamente num momento do dia, eu acredito que será um bom pronuncio. Sim, é estupido, eu sei, mas não consigo evitar. Invariavelmente, se começo a ouvir os primeiros tons, fico logo alegre e animada...

Neste momento estava a ouvir a rádio e começa-me o Bob Sinclar a cantar "Togheter".. anima-me mesmo!

A outra música em que isto acontece é o 3 little birds do tio Bob ou ainda a Love Generation também do Sinclar. Deve ser porque associo a momentos sempre optimistas, ou então é por terem o mesmo nome, não sei.

E pronto, só or causa deste pequenino pormenor, hoje já ando com um sorriso na cara...

 

 

Dos meus defeitos

O meu humor por vezes consegue ser tão mórbido que sei que conseguiria ofender uma cidade inteira (literalmente, acabei de fazer uma piada sobre a moça que o ano passado despistou-se na A24).

Mas sou assim, não consigo evitar! Tenho é que melembrar que nemtodos têm omesmsentido de humor parvo que eu.

Das contestações

Anda por aí na famosa rede social da qual também façoparte (Facebook) a convocação para uma manifestação dia 12 de março, muito por causa da actual situação de todos aqueles que se intitularam de geração à rasca, dos parvos que nãosãoparvos. Já muito se falou da música dos Deolinda (que não acho grande piada sinceramente), que quer aceitem quer não, realmente ajudou a acender este rastilho. Mas eu fico na minha, a ponderar a razão para tudo isto... A mim faz-me real confusão quando vejo as pessoas a contestar, a reclamar, a bater com o pé no chão, mas de forma tão vã que mais valia ficarem caladinhos. Faz-me confusão este queixume todo, sem que haja alguém que além de apontar os erros do sistema, se preocupe realmente em encontrar soluções. E é também por esta mesma razão que ando descrente em toda a classe política portuguesa.

Sim, há que constestar, há que saber mudar, há que começar por algum lado, mas não cair no grande erro de constestar por constestar e no final de contas continuar tudo na mesma, ou pior!

Não sei, mas parece-me algo tipicamente português... Oh well.

Pág. 1/4