Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

(+) Uma maluca que julga ter juízo

Desabafos e bocados do que vou (vi)vendo...

(+) Uma maluca que julga ter juízo

Desabafos e bocados do que vou (vi)vendo...

32 yupi

Pensei seriamente se viria aqui ao cantinho escrever algo mais pessoal, tenho tentado ser um pouco mais vaga no que aqui deixo mas cheguei à conclusão de que o devo fazer. Pois então, comecemos pelo meu grande 31...
Olhando para trás os meses que antecederam Julho estão turvos de tanto que a minha vida se tinha tornado na mesmice. Foram meses de chutar o balde e arregaçar as mangas para mudar de uma vida que não mais se assemelhava a um futuro que quisesse para mim. Foi procurar a saída, encontrá-la fora do país, fazer as malas, despedir-me de tudo (inclusivé da minha casinha, que deus a tenha) e pôr-me a caminho. Fácil, não foi, nunca é mas tive sempre em mente que acreditava que era o melhor, E foi. Muita desta minha teimosia me demonstrou o que já sabia, a maturidade chegou.
O verão, aquele momento do ano que me deixava no auge, chegou muito morno, deixando-me à espera do início da aventura. Foi com o verão que tive certeza que a minha vida me puxava noutra direcção.  Chegou Agosto, uma viagem de avião super tranquila, com direito a lounge executivo (ser chique afinal é mesmo bom) aterrar sozinha num país onde a língua é de tal forma estranha que durou 4 meses a familiarizar-me com o seu som, em que sabia que se algo me acontecesse não teria ninguém para me vir acudir. Oh well, sem medos. Tratei de tudo o que havia  para tratar e instalei-me.
Início de curso da melhor maneira, novas pessoas, novos colegas, nova realidade. Encantada com o desconhecido, senti-me rejuvenescer aos poucos. Dores que tinha constantemente comecei a reparar que desapareciam, literalmente um peso foi levantado das minhas costas (somatização, eras tu?). E aquilo para o qual não estava preparada deu-se. Conheci, sem querer, uma pessoa que abalou o meu mundo, que me restituiu toda a esperança no mundo em geral, e nos homens em particular. Uma pessoa que se tornou o meu porto seguro, o abraço aconchegante e protector, a pessoa que me ajudou no meu pior momento do ano. Não é toda a gente que fica do nosso lado após uma cirurgia, que fica do nosso lado enquanto combatia as piores dores que já alguma vez senti, que fica ali a limpar-me as lágrimas de dor e a ser o meu enfermeiro 24/7. Aquela pessoa que se senta e que toma decisões de uma vida, decisões que têm de ser tomadas a dois e não foge da responsabilidade. Encontrei-o e 5 meses depois ainda me custa a acreditar. Tudo foi muito fácil e ao mesmo tempo muito conturbado! Tive de desapegar mil vezes e de cada vez que o fazia recebia de volta em dobro.Aquela pessoa que me mostrou que realmente era isto que procurava em outros sitíos, tão desnorteada que andava. Bom, e sobre ele é só, o futuro a Deus pertence e a minha prioridade é a pós-graduação...
À excepção da situação de saúde, tudo tem sido maravilhoso. O natal e passagem de ano foi em família, apercebendo-me de que tenho o coração dividido, que agora tenho dois lares e foi complicado gerir este sentimento. Foi um ano em que a minha bússula apontou para o meu Norte que ficava realmente mais a Norte , que era isto e que a intuição não falha se a soubermos ouvir.

Já os 32 entraram de mansinho, uma noite iniciada com as colegas de dormitório/curso, com conversa boa, vinho rosé saboroso e bolo de anos Daim, com todos os amores longe de mim, senti-os muito perto.
Pedi os meus 5 desejos (piada privada), que sei que se irão realizar, pude despedir-me das meninas e ainda deu para ficar alegre (e cheia, jesus, tãaao cheia) como que em modo prenúncio, certo? Acordar com a rua branca de tanta neve, ouvir os que amo a dizerem que sou especial (mimos, adoro) e uma mensagem especial, com um inglês carregado de sotaque docinho vinda da outra parte do mundo...
Há um ano os pedidos foram todos atendidos, a ver se este ano repito a peça.
E é assim, só coisas boas que me têm acontecido (as más não chegaram sequer para abalar a balança). Siga para mais um ano de muita alegria, muitas conquistas, muito conhecimento e muito, muito amor.

Diferenças

E percebes que a piada ali é o à-vontade que existe, com o não te importares com o que vá pensar. É o seres autêntica vezes mil, goste ou não goste. É perceber que queres e mereces mais, tão mais do que aquilo. É entender que esta atitude leva a um momento de descontracção sincero e nada bate isso. É perceber que a cumplicidade poderia ser muito maior mas a característica de entrega que também faz parte da amizade não é universal. É entender que aquilo que mais almejas é poder ter este sentimento aliado à paixão. E relembrar que sim, este é o caminho certo para ti.

Pequenos detalhes

Na ida,a viagem foi ao som do "Best of Olivier Ngoma" com o filme "Made in China" com a Regina Casé.
O regresso com a banda "Air - all I need" e principalmente "Years and Years", e como filme, "O principezinho".
Não, não acho que tenham sido acasos até porque eu tinha a minha selecção feita mas optei por cuscar o que me era oferecido pela companhia.
Detalhes que são tanto.

 

Hoje sonhei com ela

Que ela me ligava e, no seu eterno tom alegre, me dizia para eu não me esquecer de tratar das ervas que deixou! Assim mesmo, nestes termos… E para dar um recado a um tio, recado esse que não me consigo lembrar por nada.. Ainda a meio lembro-me da felicidade que foi falar com ela, de como o meu coração ficou descansado e entusiasmado por ter notícias. Lembro-me de abanar a minha mãe para que ela a visse, ali pela fresta da porta da sala. Eu estava a vê-la porque raios a minha mãe não a queria ver. E aí acordei e percebi o que tinha acontecido e o que tinha sonhado. Acordei e percebi que era um sonho, que as saudades são para durar. Incomoda-me não me lembrar do recado que tinha de dar mas a sensação de ter matado saudades, mesmo que de uma forma tão irreal serviu para me acalmar! Coisas da vida.

Macaron

1.jpg

Há vários dias que estudo arduamente a receita destes meninos. A primeira tentativa foi um tal desastre (digamos que beber umas caipirinhas alegremente e aparvalhar com a amiga durante toda a receita nao poderia dar em algo decente), a segunda ligeiramente melhor e a terceira, finalmente, já foi suficiente para conseguir identificar ali um macaron (só me falta que criem os pés para ficarem perfeitos).Só tenho pena de não ter fotos para aqui mostrar as desgraças das duas primeiras vezes, rir é sempre bom.
Agora que entendi onde falhava só quero acertar de vez para aqui deixar os detalhes (e truques meus) da receita.
É praticar, praticar muito porque sei que vou alcançar a perfeição.