Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

(+) Uma maluca que julga ter juízo

Desabafos e bocados do que vou (vi)vendo...

(+) Uma maluca que julga ter juízo

Desabafos e bocados do que vou (vi)vendo...

Complexo - Conjunto de coisas, circunstâncias ou atos ligados ou relacionados entre si.

Falo da dinâmica que alimenta o ego e a persona, as necessidades infantis, da que repete o trauma e o revisita, para que o complexo se resolva.”

Será que conseguirei algum dia resolver o meu complexo? Pergunto-me sinceramente.

Os sonhos recorrentes com pessoas específicas apontam na direcção deste mesmo problema, deste complexo que ficou e não consegui irradicar completamente. Diminuiu, mas ainda faz mossa. Misturei tudo e tenho de aprender a separar. Talvez seja essa a minha missão, a batalha que estava guardada para eu conseguir e libertar. Não é só o desafio de um novo país, uma nova língua, uma nova cultura. Este era um desafio que sabia que teria de enfrentar portanto, hora de arregaçar as mangas. Já sei que o caminho pode ser árduo mas há de facto luz, muita luz numa manhã soalheira depois da tempestade.

Não sei se serei capaz, muito menos sei qual o caminho a tomar para resolver o meu complexo. Mas como a Isabel bem escreve “ A única coisa que lhe interessa é alimentar-se.satisfeito o monstro, é lidar com a frustração. E rapidamente voltar às rotinas que nos mantêm do lado certo a força. As que nos conectam.”
 

Geordie Shore

A minha paixão por lixo televisivo já é conhecida. Gosto de ver porcaria nada a fazer, mas porcaria da boa (BB português é demasiado brejeiro). Num destes dias, a fazer zapping qual louca, deparo-me na MTV com um conjunto de símios mais umas loiras histéricas e cenas de sexo a passarem em flashes. Claro que o circo estava montado e vai aqui da parva de tentar perceber o que se passava. Parece que a coisa vai na série 3. Aquilo é a pior coisa que eu já vi. Eh pá, aquilo é tão mau que fica bom. Há lá uma moça de nome Charlote, que além de mega badalhoca (and oh so proud of it) só fala de merda, literalmente. Borra-se nas férias, urina-se pelas cuecas abaixo.. Enfim, é de um grau de badalhoquice que eu nunca vi. E o mais estúpido é que depois de alguns programas, não há nada que me divirta mais... Os típicos, não gosto nada dele, até gosto e damos umas cambalhotas, e afinal não gosto e viva a putaria que vai com um, com dois, com três and counting. E é o outro moço que já por 2... Sim 2 vezes teve um menage a trois ali, à frente das câmaras... E é a outra que toca de sacar bicos a torto e a direito... E o casal que está sempre a discutir, embora a relação tenha 4 meses, e já andaram aos estalo e o camandro, mas toca de pedir a gaja em casamento! Juro, aquilo é de um nível baixo mas baixo. O que vale é que há expressões que me fazem rir às gargalhadas (bunnyflaps, hahahahaha). Só assim para me colar a ver aquilo.

Fico é a pensar que raio de exemplos damos aos nossos jovens, porque ali a imagem é mesmo bebei até cair, fudei com tudo o que mexa, o maior número de vezes, porque isso é o que interessa e a vida é curta!

 

Provas de amor

Não é preciso muito para perceber que a vida é feita de altos e baixos. Aqueles momentos em que estás em pleno céu, e os outros em que cais de forma tão brusca, tão forte que formas um cratera imensa. Passamos da profundidade à maior das altitudes, nesta constante que é a vida. E aprendemos a amá-la assim mesmo. Aprendemos que devemos amar sempre a nós mesmo primeiro, que a única vida que temos é a que nos foi atribuída. Acabas por interiorizar que, no final de contas, os sentimentos não se transmitem, são tão nossos, que a tua vida é só tua, tal como o que sentes. Queres arriscar e voar, aprendendo a calcular os riscos e sabendo que te poderás magoar. Não te importas. A vontade de ser projectada novamente para cima fala mais alto... E dás por ti, no chão, mais uma vez, caramba que ciclo! Abres os olhos, enxugas as lágrimas e habituas-te à sensação de ir buscar forças. Sabes que as tens... Mais uma vez pões-te de pé, vitoriosa. Continuas caminho, és feliz  e de repente, como que de uma  revelação se tratasse apercebeste desta constante, de cair e levantar. Apercebeste que tens essa força, mas apercebeste mais ainda de como gostarias que da próxima vez que caísses, tivesses a sua ajuda para te levantares.

Porque no fundo é só isso que queremos... Provas de que vale a pena cair.