Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

(+) Uma maluca que julga ter juízo

Desabafos e bocados do que vou (vi)vendo...

(+) Uma maluca que julga ter juízo

Desabafos e bocados do que vou (vi)vendo...

...

O dia em que descobrires a subtil diferença entre deixar ir por raiva, deixar ir porque achas que mereces algo melhor ou o deixar ir porque na verdade já não queres, nesse dia saberás o que é ser livre.
Quem me lê pensará que é tudo o mesmo mas não. Deixar ir por raiva é quando sentimos que dói mais do que faz bem. Infelizmente nesta fase, ainda gostamos, ainda amamos demasiado e a raiva ajuda apenas a dar o primeiro passo. O pior é que resulta numa recaída, resulta sempre (ou então és estupidamente teimoso/orgulhoso e ficas com algum recalque para o resto da vida). Já o deixar ir porque nos começamos a aperceber que realmente aquela pessoa não vale a pena, é um passo seguinte da mesma escada, já o fazes com um pouco mais de amor-próprio, já entendeste que ali não é o caminho. É a fase em que abres os olhos e avistas a possibilidade de trilhar um caminho mais teu. A chatice é que o sentimento continua lá, por mais que mascares, por mais que não o queiras ver, ainda lá está aquela sensação de que “ah, ao menos se ele mudasse…” e continuas em frente com uma vã esperança no “e se”. Até que há um dia, aquela manhã de sol e luz interior em que sentes que já não queres. Este não querer não é forçado, não é orgulhoso, muito menos é um não querer vingativo. É uma sensação pacífica de que não precisas mais daquela relação, objecto ou o que for, que te mantém ali agarrado, preso no tempo e que não te deixa evoluir. È o momento em que te soltas dessa âncora e segues em frente de verdade. Aproveita esse momento de libertação ao máximo, acredito ser dos poucos momentos realmente pacíficos que temos. Porque o apego, volta, volta sempre mais ali à frente. Só que a partir do momento em que descobres estas diferenças, sabes que desapegar da próxima vez será apenas uma questão de tempo… Cada vez menos tempo!

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais visitados

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D