Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

(+) Uma maluca que julga ter juízo

Desabafos e bocados do que vou (vi)vendo...

(+) Uma maluca que julga ter juízo

Desabafos e bocados do que vou (vi)vendo...

Ontem desci à terra

É triste ser necessário ouvir reais problemas da boca da miha linda, para remeter-me à minha insignificancia e perceber, uma vez mais, a real sorte que tenho!
É tramado por demais embater com a informação de que um familiar está a enfrentar uma doença grave, já com a sentença de morte dada.  Senti-me triste pela família, pelos que cá ficam, pela situação em si. Adormeci e agradeci em silêncio as bençãos que tenho de momento, e desejei continuar assim... Com toda a família com saúde e unida, que o resto, dá-se um jeito!

Conversas

Ontem discutimos a pertinência das minhas últimas atitudes. E foi bom perceber que foram as correctas, que o caminho é este.
Agora, com mais calma, penetrar em coisas mais profundas, com calma, de forma a não quebrar. um passito de cada vez. Eu consigo.

A minha jornada começou...

Estranho ouvir outra pessoa dizer que, após tudo o que já aconteceu, é de exaltar a minha força de vontade, o meu autocontrolo. Ouvir que é preciso ser extraordinariamente forte, psicologicamente falando, para manter-me no trilho e não perder completamente o norte, não é de facto para qualquer um. Sentir que consegui emocionar a outra pessoa demonstrou-me que, de facto, já não poderia ser forte por muito mais tempo. Que as minhas dores são válidas e que não são sinónimo de fraqueza. Que a história de ter sido forte por demasiado tempo não é uma frase feita, de facto aplica-se. Bastou uma conversa sincera para perceber atitudes. Verdade que me irritaram certas coisas que ouvi, de tão óbvias, mas necessitava ouvi-las.

Remexer no passado custa, afinal eram questões que já tinha enterrado à vários e vários anos. A única diferença é que desta vez, valerá a pena, tem de valer a pena!

A ver como acaba...

Está tudo parvo, só pode!

Quanto a esta notícia do Público, e consequentes comentários que vejo sobre a mesma na pagina do facebook, percebo que realmente Portugal encontra-se no estado em que está porque simplesmente merece!
O português é pequenino por defeito, detêm-se com questões que nada interessam para a resolução dos problemas. É atado, umbiguista e tão cedo isso não se irá alterar.
Olhando por alto, vejo que cerca de 80% das pessoas diz que sim, "está de acordo, já deviam ter sido fechadas fronteiras há muito, que os emigrantes entram para mamar o que é dos portugueses" e outras pérolas que tais. Mas esta gente não abre os olhos e percebe que tudo o que seja estrangeiro fora do espaço Schengen, não tem direito a gozar dessas "portas abertas". Vejo comentários a falar de chineses, etc... Mas anda tudo parvo.
A notícia recaí sobre os estrangeiros do espaço europeu, ou seja, dessas pessoas que dizem que essa mesma medida devia ter sido tomada há mais tempo, tenho a certeza que conhecem alguém que, com certeza, aproveitou o afundar do país para se dirigir para um desses países! Quer dizer, todos os dias os telejornais falam da vaga de emigração que está acontecer em Portugal, optando muitos pela França, Suíça e Alemanha (sei lá de quantos conhecidos já não se puseram a andar para estes destinos) e vêem-me estes mega otários, mentecaptos dizer que muito bem... num mundo como o de hoje em dia?

E o pior ainda é mesmo que continuam a achar que o mal do país sao os estrangeiros que lhes roubam os empregos, e “ai jesus que os outros vêem roubar o que é nosso”.

A minha questão é: Até quando o Português vai continuar a basear-se em detalhes e começar a olhar para  bigger picture.
“Aí porque os subsídios são pagos a estas gentes,” sim, é uma injustiça, mas e quanto à injustiça de vermos bancos como a CGD a investir milhares de euros em capitais de risco, cujos beneficiados serão apenas alguns (elites), ai já não há queixas?
Dá vontade de dizer: Portugal, cresce e aparece!

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais visitados

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D