Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

(+) Uma maluca que julga ter juízo

Desabafos e bocados do que vou (vi)vendo...

(+) Uma maluca que julga ter juízo

Desabafos e bocados do que vou (vi)vendo...

Madeira sempre mas em doses homeopáticas.

Para começar, o voo decorreu às mil maravilhas… Até chegar a ilha. Nunca na vida tive tanto medo durante uma aterragem!

“Chegada molhada, chegada abençoada” foi o que me passou pela cabeça ao sair do avião e tentar manter-me optimista em relação aos chuviscos e vento muito forte que se fazia sentir. E como não seria eu, logo nos primeiros momentos, toca de ter uma história para contar. Não é toda a gente que consegue enganar-se no transfere e QUASE ir parar a um hotel errado. Valeu ter dado conta antes de sair do aeroporto. Chegar ao apartamento e ter uma agradável surpresa, a vista maravilhosa que tínhamos sobre o mar deu para ir para a cama a sonhar com o melhor para os dias que se seguiriam.

De manhã, fui até ao centro da cidade e toca de apanhar o autocarro até ao aeroporto para ir buscar os meninos. A viagem de uma vida, tal o medo a cada curva mais apertada com a falésia mesmo ao lado. Depois de recolher o carro siga para pousar as tralhas, “pequenalmoçar” e fazermo-nos à estrada. A ideia era seguir até à Encumeada, para a levada do alecrim, mas depois de conseguirmos chegar ao topo ficámos a saber que a estrada estava fechada. Toca a mudar os planos todos e seguir para o Pico Ruivo. Fiz novamente a levada, desta vez as nuvens circundavam grande parte da ilha mas não na totalidade. Eles tiveram um cheiro do que é fazer uma caminhada deste tipo. Toca a descer, regresso ao Funchal para as compras e jantar. Depois de uma ida às ponchas, como o cansaço era algum para as meninas, toca a ir para casa, já os meninos foram à vida deles. O mais engraçado foi acordar a meio da noite a gritar, ainda hoje não entendo porquê (e não, não era um pesadelo).

De manhã, enquanto os putos recuperavam, eu pensava numa forma de ocupar o meu tempo. Decidimos do pé para a mão seguir para a praia na ponta de S. Lourenço, precisava partilhar com alguém a experiencia de estar ali. Primeiro ainda passámos pela igreja do Monte para que a N. pudesse conhecer. Já na praia ela confirmou o que eu já sabia, só lá estando para perceber. Apesar do vento de Norte, estávamos muito bem na praia, só regressámos porque o tempo era contado e o almoço fazia-se esperar. O mano adiantou o comer e seguimos para a zona norte da ilha, passando pela ponta do pargo e toda a estrada secundária. Demorámos uma eternidade para chegar a Porto Moniz e encontrar um tempo de caca. Regressámos ao Funchal já que na noite anterior tinham-nos falado de uma festa e decidimos experimentar. O melhor que poderíamos ter feito. Tal como há meses tinha comentado com a minha S., precisava mesmo de uma party com som “a sério”, não imaginava era que seria preciso ir à ilha para que isso acontece-se! Tivemos de sair para comprar as restantes coisas para o jantar. E que jantar, com direito a vista privilegiada do fogo de artifício e tudo. Saída para mais uma volta pela cidade e não aguentei como era suposto ir para seguir para a noite de copos.

Domingo era dia da caminhada a sério. Toca de subir ao Pico do Areeiro, passar pelos Balcões e seguir para as Queimadas. Comer antes de iniciar esta ultima levada e seguimos a pensar nas horas que viriam. Que levada maravilhosa, indiscritível! Fizemos o percurso, ida e volta em 2h50m. Ainda sobrou tempo para podermos usufruir da piscina e dos últimos raios de sol. Final do dia foi a degustar as comidas que tanta gente fala, provar polvo (não gostava), batata doce com mel, milho frito e espetadas de atum, beber umas ponchas (claro) e regressar para arrumar tudo.
Foi um bitter sweet feeling regressar a Lisboa com a mesma sensação de querer voltar à ilha, com as altas expectativas excedidas… Não entendo o porquê de me sentir tão atraída ao raio da ilha!

Fim de semana perfeito, o começo ideal para iniciar o verão de 2014.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais visitados

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D