Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

(+) Uma maluca que julga ter juízo

Desabafos e bocados do que vou (vi)vendo...

(+) Uma maluca que julga ter juízo

Desabafos e bocados do que vou (vi)vendo...

Fails da minha vida

Apetece-me deixar aqui detalhado a MEGA vergonhosa figura que fiz hoje, no autocarro em direcção a casa! Posso dizer com toda a certeza de que foi a coisa mais embaraçosa que já me aconteceu na vida... E atenção, eu sou aquela rapariga que no trabalho, em brincadeiras estúpidas a correr atrás do colega com um balde de àgua na mão para o molhar, até hoje não sei bem como, consegue tropeçar na atmosfera*, cair e levar com o balde de água em cima - YES, I AM STUPID!

Agora imaginemos a seguinte história (visualizai):

 

"Era um vez uma menina gira que depois de um dia de trabalho (e de um noite mal dormida) entra nos bus em direcção a casa. Liga os fones e pensa

que poderá cochilar um bocado até que a viagem termine, como sempre faz. Passado cerca de 20m e por sentir que a posição não é a mais confortável, constata que tinha a cabeça desconfortavelmente inclinada para a frente... Até que se apercebe que juntamente cm a figura triste de ter a cabeça descaída, constata que sente a boca seca... Porque ficou o tempo suficiente de boca semi-aberta, enquanto um rasto de BÁBA caía sobre o casaco! - Fim"

 

Sim, EU adormeci no bus e babei-me! E sim, acho que é algo tão estupidamente lindo - ridículo - que merecia ficar aqui gravado... Para um dia em que eu esteja deprimida... Sorte é que sei rir de mim mesma!

 

 

*expressão com direitos de autor! os meu putos inventaram e e adoptámos alegremente até hoje.

Da ( minha) estupidez intrínseca

(foto da net claro)

 

Não sei se isto se deve a ultimamente vir a ouvir mais assiduamente as fantásticas manhãs da rádio comercial, como fazia religiosamente à cerca de 10 anos (DEZ, ai meu deus, já DEZ) antes d ir pra escola. Sempre adorei as rubricas do Nuno Markl ainda no tempo do então recente “Homem que mordeu o cão” e que tais. Ajudava-me a ir mais bem disposta para o que na altura achava eu ser um sacrifício (a escola claro). Mas dizia eu, não sei se será simplesmente daí, mas há dias em que me lembro de episódios que marcaram os meus dias de infância, e devo dizer que sempre, mas sempre fui uma tal ezzzzztúpida. Hoje lembrei-me de comentar aqui algo não menos estúpidos, mas que concerteza fazia parte de outras almas que por ai andavam.. O mito dos amoladores! Vou chamar assim à coisa, porque não me ocorre melhor.

 

Ora, o que era então este mito (para o pessoal mais novo, da idade do meu irmão que fica embasbacado de cada vez que lhe conto coisas desses tempo (como se de outra ERA se tratasse, mas fazer o quê, 8 anos e 10 meses pelos vistos podem ser considerados uma vida)... Bom, antes que volte a divagar, directa ao assunto.

 

Foi provavelmente ainda em dias de escola primária que, ao ouvir aquela música (??) que os senhores entoavam com a gaita tão característica (eu lembro-me bem daquele assobio irritante a ecoar, avisando a sua presença a quem precisa-se dos seus serviços) e melhor ainda de ouvir (talvez uma das amigas, já não sei) dizer-me que aquilo era a chamar a chuva. Na minha santa inocência (sim, eu era muito inocente naquela altura) lembro-me de ficar a ponderar no assunto, mas sem dar muita importância. Até um dia fantástico de verão, daqueles que nos deixam felizes, mas que por alguma razão estava chateada no meu quarto, e ouvir ao longe esse som tão característico. O pensamento que me ocorreu imediatamente, mas num tom de raiva absoluta foi: “Mas para quê que existe alguém que chama a porcaria da chuva? Há mesmo essa necessidade?”. O normal seria que, depois deste pensamento, eu me apercebesse que eles não servem para isso, mas não, ainda demorou muitos mais anos a aperceber-me para que servia realmente esse som.

"Bottom line is" como é possivel alguém lembrar-se de inventar este mito? E quem diz estes diz outros tão ou mais aparvalhados.

Que estupidez tão grande... Ai infância, onde já vais.

Se agora já é assim, imagino quando um dia engravidar!

(foto da net)

 

Os meus apetites e desejos são já conhecidos do meu circulo de amigos chegados. Tenho plena noção do quanto sou impossível de aturar quando coloco algo na cabeça, e no que toca a comida (guloseimas na sua maioria) a coisa torna-se ainda pior. Sou capaz de andar km apenas para petiscar algo que me esteja realmente a apetecer, passando por vezes semanas a pensar em algo. O último exemplo foram os fabulosos pães de alho (os melhores na minha humilde opinião) que apenas se encontram nesse restaurante magnífico que é "O padrinho" na santa terrinha. São divinais e estive uns módicos 6 meses a desejar arduamente tal delícia, chateando continuamente a colega de casa partilhando o meu desgosto por não conhecer igual aqui em Lisboa!

Teria muitos outros exemplos para aqui indicar, mas  do que me leva a escrever este post.

 

Desde ontem que ando atormentada. Lembrei-me de algo que adorava de morte, algo que no seu tempo, fazia as minhas delícias... O grande problema  debate-se com o facto de já não existir... Falo do incrível Corneto de baunilha, que eu alegremente comia, isto com cerca de 6, 7 ou 8 anos de idade, quando comecei a aperceber-me de que haviam gelados melhores que o mini milk. E atenção, não estou a referir-me ao corneto de nata que hoje substitui, de forma muito fraca, aquele sabor maravilhoso da baunilha que primeiro indiquei. Nunca percebi qual a razão que levou os senhors da OLÁ a substituir tal obra de arte, mas até hoje, fico triste com tal acção. E por muito tempo andei eu triste, até que apareceu o WINNER TACO*!

 

  

Sim, fui feliz novamente ao saborear aquele gelado maravilhoso, com caramelo pelo meio, e aquele chocolate com pedaços de avelã por fora. Nem me importava com a real cagada que era quando chegava quase ao fim do mesmo, já este a derreter e a começar a sujar as minhas mãos todas (lembro-me que era rara a vez que comia aquilo sem me sujar um bocado que fosse). Fui feliz novamente, até que pimba.. Os senhores da OLÁ repetiram a proeza sendo implacáveis comigo e retiraram o dito do mercado.. E pronto, a minha vida não foi mais a mesma. Nunca mais voltei a apreciar um gelado com a mesma vontade.

Com tudo isto achei por bem colocar aqui um apelo... Quem souber de algum país que ainda comercialize tais iguarias que me avise... Mesmo se for no Nepal, eu junto uns trocos e faço-me à estrada. Até qeu não era mau,, conheço um novo local e satisfaço o meu desejo por um destes dois gelados.

E agora que esta minha divagação acabou, vou voltar ao trabalho (com a boca a abarrotar de tanta baba, mas pronto)...Volto depois.

 

 

*por alguma razão não consigo colocar aqui a imagem do referido!

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais visitados

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D